Estudo revela oportunidades do empreendedorismo no Brasil, informa executivo do BMG

empreendedor

Quando se fala em oportunidades no Brasil atualmente, logo nos vêm à mente a atual crise que insiste em permanecer crescendo no país. Tendo em vista que o mercado de trabalho não ofecere muitas oportunidades para aqueles candidatos que não possuem experiência, ou são de empresas que foram demasiadamente afetadas pela queda na contratação de funcionários, é possível perceber o grande aumento de pessoas que decidiram trabalhar por conta própria.

Estudos revelam que cada vez mais os brasileiros vêm adotando como forma de driblar a falta de oportunidade, o empreendedorismo, porque ao abrir o próprio negócio as ideias inovadoras passam a ser solução para os problemas. Ricardo Guimarães, presidente do Banco BMG noticia o estudo Global Entrepreneurship Index (GEI) 2016, que mostra um futuro promissor para o Brasil no quesito empreendedorismo e mostra também uma significativa melhora em relação aos anos anteriores.

O presidente do Banco BMG Ricardo Guimarães também cita a pesquisa como forma de identificar como o país ainda pode se desenvolver através do aumento da prática empreendedora, e também mostra uma perspectiva positiva com base em avaliações e comparações feitas com países da América Latina.

O Brasil ganhou três posições, mas ainda está atrás de outros 15 países, como Chile (16º lugar), Colômbia (43º), Uruguai (47º) e Argentina (61º). Outras fonte citadas por Ricardo Guimarães (presidente do Banco BMG), deixam expostas algumas deficiências do Brasil em relação aos outros países, como a pouca vontade de crescer e inovar dentro do negócio.

Ao citar a escassez de mão de obra qualificada, Ricardo Guimarães (presidente do Banco BMG), lembra a necessidade de se investir em projetos que contribuam para o surgimento de talentos empreendedores.

A capacidade do país de gerar tecnologia também é uma dos fatores citados por Ricardo Guimarães (presidente do Banco BMG), que influenciam no perfil empreendedor dos brasileiros. Ainda fica muito perceptível a falta de competitividade do Brasil em relação aos países do mesmo patamar econônimo-social.

Em relação a internacionalização de serviços prestados por pequenas e médias empresas no Brasil, é quase nulo o esforço para reverter a situação lamentável no ranking divulgado na Semana Global do Empreendedorismo, na qual aparece entre os piores investidores no mercado externo. Deve-se muito ao fato de ter se criado uma cultura de importação, pelo fato do câmbio favorecê-la, no entanto a situação mudou, e agora temos que tentar mudar esse comportamento adquirido ao longo de muito tempo.

Mesmo internamente ainda existem muitas barreiras a serem quebradas por aqueles que desejam se tornar futuros empreendedores no Brasil, a burocracia, a falta de investimento por parte do governo, a falta de capacitação profissional, e outros empecilhos.

Para que haja maior interesse do governo em ajudar na inovação e criação de novas tecnologias, que certamente ajudarão o país a se desenvolver cada vez mais, é necessário a criação de políticas públicas que incentivem esta forma de agir e pensar, pois apesar de alguns problemas, esse pequeno aumento no número de oportunidades, indica uma provável melhora na atual imagem do país.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s